Imprimir

FFCL faz ato em repúdio à portaria que prejudica PIBID

Manifestação aconteceu na última terça-feira, 3 de maio, no Salão Nobre da Fundação Educacional de Ituverava

banner repudio pibidFoi proposto pelo Fórum Nacional do PIBID que as instituições de ensino do país que fazem parte do programa promovessem, terça-feira, 3 de maio, mobilização nacional contra uma portaria publicada pelo Governo Federal.

Na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL), instituição mantida pela Fundação Educacional de Ituverava, foi organizado um ato de repúdio à Portaria nº046/2016, no Salão Nobre da instituição, com a presença dos alunos dos cursos de licenciaturas, professores, bolsistas de iniciação à docência e supervisores das escolas de educação básica do município.

Na oportunidade, a coordenadora institucional do PIBID/FFCL, professora Lucimary Andrade, fez a leitura de uma carta de repúdio elaborada pelo Fórum Nacional do PIBID intitulada “Contra a opressão e coragem de formar professores”. Os bolsista elaboraram cartazes em defesa do PIBID para divulgação na FFCL e nas escolas parceiras.

O PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência) é um programa da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) que tem por finalidade fomentar a iniciação à docência, contribuindo para o aperfeiçoamento da formação de docentes em nível superior e para melhoria da qualidade da educação básica pública brasileira.

O governo Federal ao publicar a Portaria nº 46 de 15 de abril de 2016 revogou a Portaria nº 096 de 2016, que regulamentava o Edital 061/de 2013 no qual o Programa Institucional da FFCL foi aprovado para ser desenvolvido no período de 2013 a 2018.

Segundo a coordenadora institucional do PIBID/FFCL, professora Lucimary Andrade, a Portaria nº 046 de abril de 2016 interrompe o desenvolvimento de uma política de formação inicial e continuada de professores em todo o país redesenhando o projeto pedagógico idealizado pelo PIBID. “A proposta apresentada pela Portaria altera a natureza inicial do Programa que dizia respeito à formação dos professores e a qualidade da educação brasileira para atender à demanda de reforço escolar”, afirma.

PIBID tem sofrido impactos da crise que assola o Brasil

Ainda segundo a coordenadora institucional do PIBID/FFCL, professora Lucimary Andrade, o programa, desde o segundo semestre de 2015, vem sofrendo os impactos da crise política e econômica do país e foi anunciado pelo governo um conjunto de ajustes ao programa no tocante ao repasse de verbas e cortes de bolsas. “Após ampla movimentação nacional em defesa do PIBID e de audiência pública no Senado, foi constituído um grupo de trabalho formado por representantes do governo, coordenadores institucionais do PIBID, lideranças das instituições de ensino e da sociedade para o planejamento das propostas de alterações ao programa. A repentina publicação da Portaria nº46/2016 desconsiderou os trabalhos até então desenvolvidos impondo uma decisão arbitrária do Governo Federal”, ressalta, em entrevista concedida à Tribuna de Ituverava.

Impactos negativos

As mudanças anunciadas na Portaria nº 046/2016, segundo Lucimary Andrade, poderão acarretar impactos negativos no projeto institucional da FFCL. “Dentre as possíveis mudanças temos a diminuição do número de projetos desenvolvidos, visto que atualmente os subprojetos são organizados por licenciaturas contemplando os cursos de Pedagogia, Letras, Matemática, História e Biologia”, lembra.

“A Portaria propõe uma proposta de subprojetos organizadas por eixos, reduzindo as áreas de atuação das licenciaturas. Em conseqüência teremos a diminuição do número de bolsistas de iniciação à docência, de supervisores e coordenadores de área”, relata.

Lucimary Andrade afirma ainda que em relação ao corte dos números de bolsas de iniciação à docência, o prejuízo aos alunos não será meramente financeiro, visto que a participação no programa representa a oportunidade de eles vivenciarem experiências práticas da docência aprimorando conhecimentos necessários à formação docente. “Outro ponto é a possibilidade de interromper a parceria da FFCL com as escolas de educação básica do município, que desde 2012 tem resultado em ações pedagógicas muito positivas”, alerta.

“Por isso, fizemos este ato, pois acreditamos e lutamos pela revogação da Portaria nº 046/2016 para que a proposta inicial do PIBID continue sendo desenvolvida em defesa de uma Pátria Educadora”, completa.

t3178p20 - FFCL - Ato de repúdio - PIBID

Veja Também

Prev Next